MEU DIÁRIO / POESIAS

Dica de Filme: A Família Bélier

Fui agraciada com um verdadeiro presente de Ano Novo! Trata-se do filme francês A família Bélier que é simplesmente maravilhoso, uma obra-prima do cinema! É a estória de uma família onde todos são surdos menos a menina Paula que assim tem a responsabilidade de ser a ponte entre seus pais e irmão com o mundo falado. Ela estuda, trabalha nas terras da família que cria gado e produz queijos além de comercializá-los numa feira local.

O filme é definido como uma comédia e realmente é engraçado e divertido. Mas, vai muito além disso já que trata especialmente de três temas que nos são caros como humanos, por um lado, a diversidade neste caso relativa as chamadas “deficiências”, de outro lado, a questão da ligação dos pais com os filhos e a dificuldade de permitir que eles sejam quem são e desenvolvam sua independência e autonomia. Entre esses dois temas, o filme trata de uma questão por demais delicada e sensível que é a entrada na adolescência aliada a descoberta dos nossos dons e talentos bem como o desafio de acreditar neles e honra-los, tratando de desenvolvê-los.

Paula, uma menina linda, forte, guerreira é também portadora de um dom incrível mas terá de enfrentar a difícil e, muitas vezes, intransponível, barreira do entendimento e consentimento dos pais.

Muitos de nós sabemos bem o que isso significa e o quanto pode anular o ser humano e “obrigá-lo” a ser quem ele não é, por toda uma vida. O sentido de vazio que hoje abunda em nossa sociedade e faz com que tantos jovens estejam confusos e perdidos, buscando nas drogas e em esportes hiper radicais a adrenalina, leia-se emoção e sentido (!), para uma vida que levam sem saber porque, para que e nem para onde!

O filme tem uma trilha sonora sensacional, a fotografia é bela, a duração é perfeita!

São 106 minutos de pura emoção, divertimento e para quem for assistir com todos os sentidos, o coração e a mente abertos torna-se uma oportunidade para muitas reflexões e transformações pessoais. Afinal. o cinema é ou não é uma arte transcendental?!

O diretor Eric Lartigau foi muito feliz em todos os detalhes, especialmente na escolha dos atores que não sendo famosos entre nós, tornam-se mais uma das gratas surpresas que o filme transborda.

Por todas essas razões e por se tratar de uma poesia em forma de filme,

VALE A PENA ASSISTIR!

Um abraço e um Feliz e iluminado 2015!

Ingrid