MEU DIÁRIO / POESIAS

As viagens

São longas

as viagens

não há caminhos

largos ou extensos

que não se tornem

lentos com o tempo.

Viagens são o acento

que muda com

a força e a energia

do vento.

Argutas viagens

são passagens

através do que

penso

e do que pensa

o momento

ganha a vida

com o aumento

desse tempo

que é vento

que se expande

e se divide

concentrando

sua espada

numa espera

entre viagens

que não trazem

ninguém de volta

pois sou tão diferente

agora e

tão distante do

que era

do que fui, antes

tão distinto

do que serei

daqui há um instante

aperto o peito

sufoco o choro

e canto

aquela canção

me conforto

e me comporto

trago lenha

prá fogueira

sou a festa

e sou a ceia

fecho-me

sou a lua inteira

lua cheia

que se esconde

no vazio

das esteiras

das escadas rolantes

Brilho em meio

ao asfalto quente

corro na direção

do leste

vivo à espreita

sou felina

e sou feminina

num acalanto

me desvelo

e me auto-revelo

agora sou errante

só, eu sorrio…

grito e rezo

sou viajante

nas estrelas

me espraio

sou caminhante

sou errante…

das viagens

sou amante

sofro e gozo

nesse espaço

que encanta

e me assusta

sou a planta

e sou a vida

A ferida

cicatrizada

já não dói

no peito aberto.

Viagens,

são mesmo

passagens

são sinais sincronizados

da trama

muy delicada

dessa teia

que é a vida.

Ingrid Cañete

31/08/08 – 01/09/08

(no avião)