OS DONS MAIS ATIVADOS NAS CRIANÇAS ÍNDIGO, CRISTAL, ESTELARES SENDO ATIVADOS NOS ADULTOS TAMBÉM:

Nesses anos todos em que tenho estudado, observado e atendido pais desejando entender seus filhos que nascem tão diferentes, nessas novas gerações de grupos evolutivos chamados Índigos, Cristais, Estelares, Arco-íris, um dos relatos mais frequentes foi o seguinte: “meu filho/minha filha já desde bebê ficava olhando para uma direção e parecia ouvir alguém ou algo falando com ele pois reagia como tal”. Na verdade, esses relatos eu escutei de pais que ao longo do desenvolvimento dos filhos observaram que essas ” experiências” persistiram ou persistem durante a infância.

“Minha filha de 5 anos não senta na mesa para as refeições se não houver um lugar arrumado para seu amigo sentar ao seu lado e almoçar” ou “Meu filho conversa naturalmente com um menino que diz ser o seu irmão gêmeo que não chegou a nascer e conta detalhes dessa conversa e também do que aconteceu durante a gestação e parto”são exemplos desses relatos. Lembro ainda, o caso de um menino de 5 anos com quem conversei e que estava com fobia (medo acentuado) de voltar para a sua casa após um tornado tê-la atingido de forma destruidora e que revelou a mim e a sua mãe, na consulta, que ele escutava o avô e a avó já falecidos ( que ele nem tinha conhecido) e chegou a desenhar eles no quadro e a dizer o nome deles, descrição e o que lhe diziam. Temos o caso da hoje pintora e poetisa americana chamada Akiane que relata em filme que desde seus 3 anos de idade já ouvia um chamado e a inspiração para suas pinturas e que aos 10 anos de idade começou a ouvir uma espécie de voz, muito suave, que a inspirava a escrever poesias. Atendemos também um menino de 4 anos que sofria muito para dormir em seu quarto e quando investiguei em detalhes descobri que ele ouvia sons e vozes assustadoras e via seres que nem conseguia descrever mas que eram assustadores e apareciam em seu quarto, sempre a noite. Certa vez, durante a noite, a mãe encontrou esse menino ajoelhado aos pés da cama, desmaiado e teve de levar ao pronto atendimento, sem entender o que acontecera. Na verdade, eu identifiquei o fato como sendo um “ataque espiritual”, algo que pode acontecer com essas crianças tão sensíveis e cheias de luz na medida em que elas não são ouvidas nem entendidas e portanto, não são ajudadas a equilibrar e a proteger seu campo energético, seu quarto e casa.

Esses exemplos servem também para nos indicar que dons ativados como a clariaudiência podem ser experiências positivas e construtivas, criativas mas sem conhecimento, entendimento e preparo pode acarretar prejuízos a criança ou mesmo ao adulto.

A clariaudiência é mais uma das formas de percepção expandida. Consiste na capacidade de ouvir sons e comunicações de outras dimensões, desde a quarta e quinta dimensões até mais além, dependendo da maturidade espiritual e do preparo do ser canalizador. Sim, a criança ou adulto que possui esse dom ativado se chama canalizador ou canal. A clariaudiência se refere a comunicação com seres de dimensões superiores que não são visíveis no plano físico, a não ser que a pessoa possua também o dom da clarividência. Existem dois tipos de canalização, a inconsciente onde o canal ( ou neste caso, o médium em transe) cede seu corpo sua forma física e permite que o mensageiro use seu corpo como elo com a terceira dimensão e instrumento de comunicação. Neste caso, o canal não ouve a mensagem a qual precisa ser gravada. E, a canalização consciente onde a pessoa está consciente de seu corpo físico, encontrando-se desperta, embora em um estado de consciência expandida multidimensional. Nesse tipo de canalização, o canal precisa registrar em seguida a mensagem recebida do contrário não se lembrará mais da mensagem, pouco tempo depois. Um dos cuidados em relação a esse dom é que ele precisa ser aceito e assumido pela pessoa e ser desenvolvido com orientação adequada para que aprenda a reconhecer os “mensageiros” que pode aceitar que se manifestem através de seu canal e aqueles que não quer e não deve aceitar pois são de baixa vibração e não tem nada de construtivo e amoroso, edificante para transmitir, pelo contrário, querem atrapalhar e confundir ou até mesmo assustar, prejudicar. Após aprender a reconhecer os “mensageiros” é necessário aprender também a lidar com eles e a definir limites com eles, já que a lei do livre arbítrio deve sempre prevalecer. Importante saber que devemos nos interessar em receber somente mensagens que vibrem na frequência do amor incondicional do seu portador ou “mensageiro”.

As mensagens recebidas seja pela criança ou pelo adulto precisarão ser “traduzidas” para uma linguagem da terceira dimensão para que assim possam ser úteis a nossa vida diária e, se for o caso, compartilhá-las com outras pessoas.

A canalização que é uma forma de clariaudiência merece muita atenção e cuidado pois como dom precisa ser compreendido, honrado e desenvolvido, estudado. Cabe alertar que a canalização do tipo inconsciente é mais delicada pois traz o perigo de deixarmos nosso corpo físico, o que nos enfraquece muito em termos de energia vital e de imunidade, portanto, só deve ser praticada com a devida orientação e com parcimônia e muito cuidado.

Afora essas ressalvas, trata-se de um dom maravilhoso que, cada vez mais crianças da geração Índigo, Cristal Estelar, Arco-íris apresentam e que muitos adultos também possuem, ativados pela convivência com elas. Essa capacidade de comunicação multidimensional e interdimensional, estará, cada vez mais, ativada em todos nós humanos, nos próximos  anos ,como parte de nosso processo evolutivo e de nossa ascensão. Estamos nos dirigindo ao próximo estágio de nossa evolução espiritual.

Aproveite essa oportunidade e dedique-se a desenvolver seus próprios dons e a ouvir a sua voz interior. Só assim, você estará se preparando e se capacitando para os próximos passos rumo a consciência cósmica ou  iluminação.

Um abraço afetuoso desejando uma feliz jornada!

Ingrid