MEU DIÁRIO / POESIAS

Fora do tempo

Dias, anos
tardes, manhãs
Medidas de um tempo
que não existe.

Quando nasci
pela primeira vez
não era esse
o meu olhar
por ti…

Se escolhi nascer
e sei que escolhi
descer, exatamente,
assim e aqui

Onde está
a visão de luz
que quase me cegou?

Confundo-me ainda
quando olho o céu
em meio a estrelas
não te avisto mais
ouço vozes, sussurros
posso sentir a chuva
queimando-me está
essa lembrança dúbia

Passam-se dias
meses, anos
persigo manhãs
e sorrisos
percorro tardes
e noites
que apenas
sugerem abraços
amigos…

Lembro-me total
absoluta e eternamente
de tudo antes
de chegar, aqui!
Como é possível
não saber onde estou?
que lugar é esse,
por favor quem sou?!

Calo-me por um
suspiro – instante
Fecho-me em
minha concha-corpo
Inspiro e volto a suspirar

Saudades de meu eterno lar…

Ingrid Cañete 04/01/11