Nós

Se não todos
Nós…
Se não formos
Nós…
Se não agora
Quando?
Seremos nós?

No agora que
É um só tempo
Me adentro e
Busco o sol
No tempo que
É só agora
Me enlaço e
Me encanto
Com a sombra
Do que sou Eu
Me afundo e
Me desnudo
Desfraldo a
Céu aberto
A face de quem
Não sou

E apago
Naquele
Espaço
A face que já
Passou…

Deflagro noutro
Momento
Que é tempo
De não só ser
A hora de renascer
A luz que me
Acompanha
É clara e
Infinita nota

Do som que
Define a Vida
Sonata de mim
Partida
Acordes de minha
Ida
Melodia que não
Tem mais fim

Sou Eu no
Infinito Tu
Somos nós
Na imensidão azul.

INGRID CAÑETE

Share This

Share this post with your friends!