Nova geração cantando suas mensagens...

First Aid Kit trata-se de uma banda de duas irmãs suecas bem jovens. Vale a pena conhecer suas composições e manifestações, pesquisem… aqui, elas cantam sua versão, adaptada para a atualidade, de uma canção que fala da responsabilidade Individual pelas guerras! Na canção se pergunta: o que aconteceria se você, você e você…se negassem a participar, a ir para a guerra?? E não se trata, a meu ver, apenas da guerra localizada entre paises, com tanques e armas…trata-se daquela guerra que você aceita, provoca, estimula ou vê e não faz nada, dentro de sua própria casa, no seu condomínio, no trabalho, na rua, na escola…Nada de novo nessa canção dos anos sessenta, pois infelizmente, as guerras e o espírito bélico da Matrix continua forte e manipulando milhares de “ seres humanos”(??)
Escute, sinta, reflita…olhe para você, para o seu interior e olhe ao redor…quantos modelos e padrões você segue repetindo e passando aos seus filhos, netos, alunos, colegas, vizinhos sem nem sequer se perguntar porque, para que, se faz sentido ainda, se beneficia ou prejudica alguém??? Por exemplo, qual é o sentido do Carnaval?? Nosso país vivendo a maior crise da sua história, o mundo em situação caótica e exigindo de nós união, expansão de consciência ações individuais e coletivas urgentes baseadas no Amor, no respeito, na ética, na justiça e estamos todos pulando, gritando e cantando músicas de conteúdo e gosto muitas vezes bem duvidoso, gastando tempo, energia e dinheiro com isso, dias a fio…isso me soa desesperadamente psicótico!! Atitude de quem está vivendo (?) alheio à realidade, alienado de si mesmo!
Dizer sim a alegria simmm, claro!!! Mas busquemos a alegria genuína, de coração, aquela que vem do fundo de nossas almas quando estamos conectadas ao Cosmos, a Natureza, a Deus, aos seres que amamos…
Haja Luzzz!

LINK
https://www.youtube.com/watch?v=5Xq831b2tPg&feature=share

EU, VAN GOGH, AS PESSOAS, ESSE MUNDO…
Hoje em dia, eu entendo, com clareza, porque desde criança eu me encantava com as pinturas do gênio Vincent Van Gogh…me tocava tão fundo na alma e me fazia sentir dentro de cada quadro seu…acabo de assistir o belíssimo filme/tributo Loving Vincent ( Com amor, Vincent) e me identifico tão inteira e profundamente com ele, com sua altíssima sensibilidade, com seu amor imenso e profundo pelo belo, pela natureza, pela vida…sinto o quanto ele padeceu entre pessoas tão rudes, limitadas em todos os sentidos, embotadas, adormecidas e algumas estupidas e bossais…um Índigo genial nascido numa época onde a energia era tão densa, aqui, era tamanha que ele acabou tirando a própria vida para , supostamente, aliviar a carga de seu amado irmão Theo seu anjo e guardião protetor…quando escuto essa música composta em homenagem a Vincent eu me emociono, vou as lágrimas…guardadas as devidas proporções, a dor que Vincent sentiu e o sofrimento que o acompanhou, durante sua curta jornada terrena, são também meus e de muitos Índigos e Cristais, hoje, são a nossa dor e sofrimento de sentir tudo com tanta intensidade e pureza, de amar tão verdadeiramente tudo e todos e de não sermos compreendidos e muito pior do que isto, ser ridicularizado, rotulados de doentes e de loucos, internados sem hospícios, rechaçados, estigmatizados, forçados a se encaixar, a se enquadrar a ferro e fogo…sinto uma dor profunda na alma, não apenas por mim mas especialmente por todas as crianças e jovens e por muitos adultos também que sofrem essa dor e agonizam por aí… sinto muito quando publico algo como esse vídeo( post anterior!) de alerta sobre a falta de qualidade da arte em geral, das musicas tanto em letra quanto em ritmo e melodia, o conteúdo dos livros e filmes… e poucas pessoas compreendem a fundo e sentem a fundo tudo isso…falta sensibilidade, bom senso, senso crítico…estamos vivendo o apocalipse que se apresenta para nós, publicamente, todos os dias, só não vê quem não quer ou não consegue porque já foi fisgado ou “ chipado” ( aceitou receber o chip e ser dominado!)…então, diante de tudo isso eu sinto muito, eu canto por Vincent e por nós…me perdoem, sou grata e te amo Vincent, te amo humanidade, te amo Terra…
Assistam o filme e sintam, se emocionem… quem sabe depois, passem a olhar as estrelas de outra forma…passem a enxergar mais além…
Como disse Vincent: “ Eu só quero comover as pessoas com minhas pinturas, quem sabe elas digam: como ele sente tudo profundamente…”
Haja Luzzzz!