O DESAFIO DA MATERNIDADE NUMA ÉPOCA TÃO TECNOLÓGICA:

Cada geração nasce na biosfera dos desejos, esperanças e medos da geração anterior. Nasce com o potencial de manifestar desejos, curar medos e continuar o processo de evolução. Esse potencial está em você e está sendo continuamente ativado, agora, pelas energias ao seu redor e dentro de você.”

Jamye Price

Exercer a maternidade, por si só, sempre foi um imenso desafio difícil de descrever e de definir em palavras. Tudo o que já foi dito parece tão pouco e distante da realidade diária das mães. Particularmente na época atual, onde tantos novos fatores novos competem e pressionam no sentido de exigir maior atenção e cuidado das mães em relação a saúde e proteção de seus filhos. Um desses fatores sem dúvida, é a tecnologia e o seu ” impressionante conjunto de telas e de botões digitais “que se aperfeiçoa e multiplica, a cada dia. Assim, temos um novo e renovado contexto constantemente a espreitar e a assombrar, de certa forma a maternidade e o bem querer de nossas crianças e jovens…

Filhos nascem para expandir, aperfeiçoar o projeto de vida e de missão de seus pais. São a semente cheia de potenciais que veio da semente, que nasceu da semente, da semente da árvore genealógica que por sua vez, está ligada e se origina da Árvore da Vida. Quão imensa e, muitas vezes, assustadora a responsabilidade das mães diante de crianças que nascem cada vez mais, diferentes, com DNA ativado, dons super aflorados, maturidade de almas antigas, bagagem e cabedal de um saber que impacta e confunde. Que desafiador estar diante de uma criança pequena em tamanho físico e imensa em sua sabedoria. Que mãe consegue sustentar o olhar diante de seu filho de apenas dois anos que lhe olha lá no fundo da alma e diz: Você não parou no sinal mamãe! Ele estava vermelho e você não parou! Você não está certa, mamãe!

Qual mãe não ficaria impressionada e até confusa diante de uma filha que ao visualizar uma imagem de um anjo lhe olha com toda a pureza e doçura possível e lhe diz: Essa sou eu! Sim, sou eu…

Eis que uma das inúmeras características diferentes e impressionantes das novas gerações Índigo, Cristal, Arco-íris e Estelar é capacitação natural para o uso da tecnologia. Como criar, educar e cuidar de nossos filhos precisando orientar e supervisionar sobre algo que nós mesmos não estamos, em geral e na maioria dos casos, preparados? Sem dúvida tecnologia traz muitos benefícios para todos nós mas ela também tem seu lado e seus aspectos negativos, tem riscos sérios e graves para quem não souber usá-la. Afinal, nós como humanidade estamos apenas sendo alfabetizados sobre o uso da tecnologia. teremos muito, muito ainda a aprender…

Como fazer diante de tantas tentações advindas desses “poderes quase mágicos” que a tecnologia e seus velozes avanços nos oferecem?

Eu tenho conversado com muitas mães e tenho perguntado para elas como elas estão percebendo e vivenciando a maternidade em meio a um contexto que foi invadido pela tecnologia. Vou compartilhar com você leitor/leitora as principais e mais interessantes observações e reflexões que algumas dessas mães já fizeram a respeito desse desafio para o exercício da maternidade.

O termo que mais apareceu em seus depoimentos é “filtrar”. As mães manifestam que um dos maiores desafios diante da criação dos filhos num mundo assim tão tecnológico é saber “filtrar” o que pode e o que não pode, “filtrar” o que é recebido nas redes sociais, conseguir acompanhar tudo o que a criança está vendo, assistindo e “filtrar” as informações adequadas e de qualidade daquelas que são inadequadas e de baixíssima qualidade.

Nesse sentido, as mães demonstram sentir-se despreparadas em termos de conhecimentos para lidar com os diferentes recursos e caminhos que a tecnologia dispõe e além disso, revelam falta de tempo para estar acompanhando tudo o que o filho faz nas telas e redes. Além disso, relatam ser desafiador e difícil acompanhar o que os filhos farão com aquilo que veem e assistem.

Tem mães demonstrando já uma preocupação com a 5G que estará em breve funcionando também em nosso país e que trará aliado a uma muito mais alta velocidade novos e ainda mais impactantes efeitos e desafios para todos nós.

Outra dificuldade desafiadora trazida por diversas mães é conseguir estabelecer limites e parâmetros de uso da tecnologia. Aqui, percebe-se que muitas mães sentem-se confusas e inseguras e podemos afirmar que aí mora o perigo!

Segundo depoimentos e de acordo com a nossa observação, muitas mães estão bastante cansadas e sem tempo para ficar com seus filhos e dedicar-lhes tempo suficiente e de qualidade para se relacionar com seus filhos. Muitas dessas mães buscam os filhos na escola, por exemplo, e já deixam uma tela ligada dentro do carro para “distrair” os filhos e para que eles “não incomodem” ao invés de aproveitar para conversar e ouvir sobre como foi o dia das crianças já que estiveram afastados por algumas horas. Uma das mães me disse que vê isso todos os dias quando busca seus filhos na escola o que lhe provoca lágrimas nos olhos, fica muito triste mesmo.

Outra dificuldade encontrada pelas mães é definir o que pode e o que não pode em cada idade das crianças tanto em termos de conteúdo quanto de tempo de exposição as telas e tecnologia.

Algumas mães manifestam disseram que “as crianças estão muito imediatistas” e fica difícil conseguir que elas se controlem quanto ao uso das telas e também quanto a aceitarem outras atividades, brincadeiras e até mesmo ficar um tempo quieto, em silêncio e só relaxando. Mas, cabe a pergunta: será que as crianças são mesmo imediatistas ou elas estão simplesmente copiando, imitando seus pais e os adultos ao seu redor?! Cabe outra pergunta: afinal quem é a mãe nessa relação e de quem é o papel de colocar limites e orientar com amor mas com firmeza?

Algumas mães manifestam que um grande desafio é lidar com a pureza e ingenuidade das crianças e ter que explicar certas coisas que elas veem na internet e que podem não ser verdadeiras e sim manipulativas. Explicar a elas que do outro lado da tela pode haver alguém mal intencionado, que existem “lobos em pele de cordeiro”.

Outro desafio relatado pelas mães e que faz com que frequentemente me peçam ajuda é: como ser e se manter consciente, para não deixar seu filho ser moldado pela sociedade? Como conseguir, estar sempre lendo, estudando e se instruindo para praticar as virtudes e dar os bons exemplos para assim, conseguir ser digna de que seus filhos a imitem, a escutem. Pois, segundo algumas mães depois que os filhos crescem um pouco se estabelece uma verdadeira “luta” entre a mãe mostrando o que é certo e verdadeiro e  de outro lado, os jogos eletrônicos e desenhos animados (muitos desses aparentemente inocentes!) propondo estímulos e informações (instantâneas!) que se contrapõem aos valores morais e éticos da família. Cabe ressaltar aqui, a infinidade de jogos eletrônicos violentos, muito violentos que estão correndo soltos, liberados pelos pais que em muitos casos ainda jogam com os filhos e são tão ou mais viciados do que eles!! Saibam mães de todo o planeta que a tecnologia tem poderes subterrâneos/sombrios mesmo! A tecnologia quando usada desde cedo, vai moldando a mente das crianças criando caminhos nos sistema nervoso de forma semelhante ao que fazem as drogas causadoras de dependência química e psicológica!!! A tecnologia hoje, está tão sofisticada que utiliza sinais sonoros e luminosos muito sutis porém imperceptíveis para nós e para as crianças e jovens , sendo esses sinais códigos que vão manipulando e moldando as mentes de nossas crianças para que elas fiquem muito suscetíveis e vulneráveis a tudo o que a Matrix deseja que elas sejam, pensem ( ou melhor não pensem!), falem, façam, comam, tomem, escutem, desejem!!! Percebem a gravidade?! Assim, desde muito cedo as crianças são “chipadas” pelo “sistema” e manipuladas e vocês mamães tem o imenso desafio de estudar sobre isso, tomar consciência e agir de forma consciente assertiva, de forma urgente e rápida!!!

Por isso, me parte o coração e me traz imensa indignação quando vejo muitas mães, muitas mesmo, com seus filhos ainda bebês presos a uma tela seja na loja de conveniência, seja no restaurante ou no carro!!! Mães vocês estão drogando seus filhos, acordem!!! Vocês estão entregando seus filhos ao sistema “Matrix” para que os “cordeiros” sejam imolados!!!

Esses dias, fui jantar cedo, pois costumo jantar cedo, em um restaurante e quando chegamos vimos, uma mesa onde havia uma menina de uns 5 anos de idade sozinha!!! Digo sozinha pois de fato ela estava SOZINHA!!! Os pais jovens, um de cada lado da mesa estavam hipnotizados por suas telas e a filha já tinha lido umas cem vezes o pequeno cardápio que havia na mesa e estava simplesmente incomodada e inquieta com a situação. Imagine que durante todo o nosso jantar essa foi a situação e nenhum dos pais sequer olhou para a menina muito menos falou com ela. Então, quando estávamos pagando, a mãe largou sua tela e chamou o garçon para pedir uma água. Foi quando a menina suspirou e disse: Ainda bem, porque eu estou com muita sede!!! Eu tive de me controlar para não ir até a mesa e chamar a atenção desses pais.

Essas cenas se repetem em todos os lugares e como eu sou uma observadora  estudiosa do comportamento humano…

Escuto de diversas mães o quanto pode ser desgastante e cansativo o desafio árduo de mostrar, diariamente, o quanto a verdadeira vida acontece na vida real, no agora e não nas telas e no mundo virtual Demonstrar que a vida real é muito mais legal e que tem coisas que a tecnologia jamais irá proporcionar. Uma dessas mães, disse: o maior desafio que é de todos nós, é viver nesses dois mundos sem esquecer que o aqui e agora está dentro da gente e que só fica acessível na medida em que estamos conectados com o mundo real, observando, ouvindo a nós mesmos, contemplando a natureza, o céu, o voo de um pássaro, o ruído da rua…

Mostrar que o mundo real é muito mais legal que a vida na tecnologia é um desafio diário, relatou outra mãe! Por exemplo, dia ela: sentar à mesa com a família para fazer uma refeição é muito mais legal que assistir um vídeo sozinho e trancado no quarto; ler um livro com um dos pais, atirado e relaxado no sofá é bem mais divertido do que jogar sozinho; que o efeito de ler antes de dormir acalma a mente e traz bons sonhos enquanto o uso da tecnologia antes de dormir agita a mente e dificulta o sono relaxante; que andar de bicicleta é bem mais legal do que ficar falando com um amigo no whatsapp…Essas pequenas coisas super importantes vão se perdendo se não ficarmos chamando as crianças para o mundo familiar, para a vida real do cotidiano.

Assim, muitas mães falam sobre a questão da “presença” no momento presente e no mundo real, familiar, das relações presenciais, do diálogo e olhos nos olhos, da conexão de alma para alma. E, aqui cabe uma importante reflexão: porque será que está existindo essa verdadeira “disputa/luta” entre a internet/telas e os pais bem como a vida familiar? A quem cabe estabelecer um estilo de vida saudável, com hábitos saudáveis incluindo algumas rotinas de horários para dormir, tomar banho, se alimentar, brincar, conversar entre a família e alguma disciplina? Pois se isso não for feito desde que o bebê chega para o casal, depois será muito difícil. Para isso será sempre imprescindível que os pais conversem e estudem e definam juntos esses hábitos e rotinas e estilo de vida bem como os valores que de desejam transmitir aos filhos. Feito isso, precisam tomar consciência e se comprometer consigo mesmo e um com o outro no sentido de serem os bons exemplos, de serem coerentes com tudo o que propõem e pregam para os filhos! Sem essas condições, os desafios de educar filhos, especialmente para as mães, que são, em geral quem fica mais tempo voltada para eles, será cada vez mais difícil e estressante.

Faz-se necessário que mães e pais busquem tomar consciência de seus papéis. O que significa ser pai e quais são as atribuições e responsabilidades de um pai? O que significa ser mãe e quais são as atribuições e responsabilidades de uma mãe. Se isso for difícil, confuso, busque ajuda de um terapeuta, de bons livros e de bons pais que vocês admirem por sua conduta e bons exemplos éticos, morais e afetivos.

Entre esses papéis e atribuições das mães e pais eu posso lhes assegurar que está oferecer outras boas opções de atividades, brincadeiras, esportes, artes e inclusive meditação para seus filhos e acompanhar eles nessas atividades pois lembre-se a vida é agora e você tem a dádiva e a bênção de ter esses filhos maravilhosos, então aproveite a companhia deles, usufrua, divirta-se com eles, ensine e aprenda com eles, amanhã poderá ser tarde!

Saiba que é papel das mães e dos pais estabelecer limites claros e bem definidos sobre o uso do celular para os filhos e você pode e deve inclusive esclarecer que celular e tablet/computador são coisas de adultos. Que o celular se o seu filho tiver a partir de certa idade, que deve ser bem avaliada(!), será com a finalidade de se comunicar e com os pais e como medida de segurança e ponto! Você pode definir que celular não é algo para ser usados por crianças pequenas até os setes anos pelo menos e depois se resolver que por segurança dará um celular ao seu filho, faça com orientações firmes e noção clara de limites. Faça combinações e se essas não forem cumpridas você pode e deve recolher o celular. Se você organizar sua vida com seus filhos assim, desde o início, não haverá problemas dessa ordem. Você mãe, você pai precisam sentirem-se seguros, confiantes. Sejam firmes e claros, com argumentos baseados na verdade e no amor. As crianças são sábias e capazes de reconhecer a verdade e o amor verdadeiro.

Vou encerrar com o  exemplo de uma mãe que me disse: penso que o cenário(tecnologia) muda mas segue o desafio de conexão com os filhos! Percebo que é necessário dar limites à tecnologia! É desafiante não dar um celular ao filho por entender que não há necessidade e ele ter de conviver com colegas e amigos da mesma idade que tem um celular! A tecnologia é só mais um tema com o qual os pais seguem sendo convidados a lidar com limites e valores e a assumirem-se verdadeiramente como pais.

Concordo plenamente com essa mãe e aproveito para agradecer a todas as mães que me procuram buscando ajuda, esclarecimentos e orientação! Eu aprendo muito com todas vocês!!! Admiro a todas pela coragem e dedicação diária em procurar acertar e garantir uma educação saudável e amorosa para seus amados filhos!!!

O mundo também lhes agradece!!!

Um abraço afetuoso desejando cada vez mais luz a todas vocês mães e pais!!!

Ingrid