Por que e para que ter filhos?

Frequentemente, sou levada a esse tema e confesso que desde criança eu, como observadora atenta do comportamento humano, tento entender porque e para que as pessoas que não possuem nenhuma ou pouca vocação para  a maternidade e a paternidade, insistem em ter filhos. Sim, em geral, tem mais de um filho e criam o inferno para si e para as crianças e também para seus vizinhos, colegas, familiares e o que elas não sabem, geram carma para si e emanam uma carga diária de energia e vibrações negativas que poluem e tornam ainda mais densa a aura da Terra. A aura é o campo energético que envolve cada ser vivo e também o nosso planeta Terra. Esse campo energético que reflete as características originais do projeto-alma de cada ser também registra, processa e retém todas as informações, manifestações e vibrações que a envolvem em seu dia a dia. No caso de uma criança que não foi planejada, realidade da maioria das crianças, infelizmente, e que passa todo o período da gestação sentindo e ouvindo pensamentos, palavras e atos de rejeição, de raiva, de medo, de insegurança e dúvida, de vontade de abortar , tudo isso vai sendo registrado no seu campo energético e afetando sua formação, suas vibrações e sua saúde física, emocional, energética e espiritual. O mesmo é válido para gestações onde não há amor e sim interesses ou onde o filho é usado para manter o relacionamento e segurar o parceiro. Uma criança que não foi gerada por amor já chega ao mundo marcada negativamente. O contrário também é verdadeiro, uma criança gerada por amor vai chegar ao mundo irradiando amor, alegria de viver. Filho é algo muito sério!

O planejamento de uma gravidez deveria fazer parte não só das políticas públicas de saúde mas do currículo educacional de um país. Eu sei que estamos bem longe disso, no Brasil, mas se não começarmos um dia, nada mudará. Então, aproveito para sugerir, a quem se interessar, que procure conhecer o trabalho e os vídeos disponíveis na internet, da Dra. Eleanor Luzes, psiquiatra e terapeuta junguiana, que lidera no Brasil,  a chamada Ciência do início da vida. Ela refere que se nós, a humanidade cuidássemos realmente da concepção ,  da gestação e da infância não precisaríamos mais de presídios nem de hospitais pois a saúde integral estaria garantida. Mas, independente de governos e de terceiros, nós podemos agir pela nossa cura e de nossos filhos se começarmos por fazer a Cura Transgeracional, desenhando a nossa árvore genealógica e atuando para identificar os eventos e males que afetaram nossos antepassados e atuar para a cura deles e de todos os descendentes. vale a pena buscar esse vídeo de apenas 8 minutos onde explica como proceder. Pois, hoje em dia temos muitas ferramentas avançadas e muito simples à nossa disposição para nos ajudar no processo de cura e de auto cura. Nosso DNA é quântico e interdimensional e nos escuta, sofre influência de nossos pensamentos, emoções, estresse e afirmações, assim, podemos desprogramar e reprogramar nosso DNA e a carga genética que ele carrega. Pois, como difunde o Biólogo Bruce Lipton, entre outros pesquisadores, 95% do nosso código genético é informação transgeracional, um código de linguagem escrita e que você pode transformar. Em seu excelente livro A biologia da crença, ele afirma que a epigenética (que significa “controle sobre a genética”), um novo e revolucionário campo da biologia nos traz a boa nova: os padrões de DNA passados por meio dos genes não são definitivos e não comandam nosso destino.

No entanto, primeiro, precisamos tomar consciência de quem somos, de nosso estágio atual de evolução, ainda bastante primitivo e necessitamos decidir buscar o caminho da consciência, da expansão da consciência. Somente seres humanos conscientes e lúcidos são e serão capazes de começar a agir, já, pela transformação de nosso contexto de procriação. Saibam que quando um casal decide engravidar, o primeiro passo deveria ser buscar uma limpeza energética e espiritual, uma calibração de seu campo vibratório e deveriam conversar juntos e pedir, literalmente, pedir ao Universo que lhes conceda uma criança saudável, um ser de luz. Isso é possível e factível. No entanto, para serem atendidos e receberem tal alma precisam estar preparados e comprometidos com a sua vinda e com a sua caminhada terrena. Precisarão se dedicar, constantemente, a essa missão, que eu como eu sempre digo é a mais sagrada de todas.

Por outro lado, não engravide por impulso, para isso cuide-se tome precauções necessárias, previna-se. Não engravide por pressão familiar nem social que insiste em perguntar: quando irão ter filhos? Não engravide para tentar manter uma relação que não funciona mais. Não engravide para realizar um sonho que é apenas de seu parceiro mas não é o seu. Não engravide apenas porque é um sonho seu e não de seu parceiro. Não engravide para alimentar interesses comerciais, financeiros, de status. Não engravide levada pela emoção apenas. Engravidar dessa forma é sustentar uma forma de vida  e de gerar vida, ainda muito primitiva. E nós precisamos urgentemente, evoluir como espécie. Para isso, precisaremos nos conscientizar e nos educar para a procriação consciente, planejada, escolhida e com AMOR.

Pense nisso, reflita, leve esse assunto para conversar com seu grupo de amigos, com a família, com seu parceiro ou parceira, sugira esse tema nas empresas, nas escolas.

Seja você um agente de mudança e de evolução!

Um abraço afetuoso, desejando sempre paz e muita Luz!

Ingrid