PORQUE TANTOS DIAGNÓSTICOS DE ESPECTRO AUTISTA?

Parece que o mundo está sendo invadido por crianças autistas, será mesmo possível? Não disponho de estatísticas precisas mas sei que desde o início dos anos 2000 o número de crianças assim “diagnosticadas” vem se multiplicando de forma impressionante!!! Na minha experiência pessoal posso dizer que em torno de 80 a 90% de mães/pais que me procuram receberam diagnóstico de espectro autista para pelo menos um de seus filhos. Muitos desses pais me dizem que leram meu livro Crianças Cristal, meus artigos no site e logo, identificaram muitas características de seus filhos. Eles querem ajuda para certificar-se de que seus filhos não possuem patologia e são realmente representantes de uma nova humanidade. Escrevo para trazer alguns esclarecimentos de forma bem objetiva, que ajudem muitos pais a se acalmarem, a encontrarem clareza e a buscarem o discernimento e a luz nessa caminhada de sua missão sagrada.

A humanidade está atravessando já há algumas décadas a chamada transição, desde 1987 adentramos na Conversão Harmônica (pesquisem sobre isso na internet!) que nos “convocou” ao processo de despertar da consciência. Ao longo de tal processo temos sido afetados por muitas transformações entre elas a Ressonância de Schumann (pesquisem!) e os ajustes no campo eletromagnético da Terra. Entre esses efeitos estão os denominados “Sintomas de ascensão” que se manifestam física, emocional, energética e espiritualmente em todos nós. Na medida em que muitos de nós fomos despertando e fazendo a escolha de expandir a consciência, de evoluir e assim ascender, “autorizamos” o plano espiritual a nos fazer os ajustes a nível de DNA, de sistema nervoso, a nível celular, mental. Tudo isso para nos capacitar o nosso acesso as dimensões mais elevadas de consciência. Na mesma medida, como o processo evolutivo é dinâmico e multidimensional, interdimensional as almas que vem chegando ao planeta também estão sendo “ajustadas” para que manifestem a evolução e ao mesmo tempo, contribuam e acelerem a evolução no plano físico. Pois essa é a missão e propósito delas em vir ao planeta. Falando especificamente das crianças “chamadas de autistas” sabemos que elas são apenas “diferentes”, se comunicam de forma diferente, se comportam de modo distinto, tem um modo de ser e de se expressar diferente. Elas não possuem patologias embora haja muita resistência por parte de alguns pais e de segmentos médicos, terapêuticos quanto a admitir isso. O que é compreensível devido aos padrões vigentes predominantes, ainda, quanto ao que é “normal” e “esperado” das crianças e o que não “se enquadra” e precisa ser “tratado e curado”. As crianças “autistas” na verdade, estão manifestando aqui, no plano da Terra, aspectos e características, formas de ser e de se expressar que fazem parte de um processo de transformação e de evolução ainda incompleto mas, que nas próximas duas ou três gerações vindouras, já se mostrarão, digamos, mais plenos e configurados. Observem que essas crianças, jovens “autistas” são mais puros, até ingênuos difíceis de se corromperem. Falam a verdade, são diretos e objetivos, não sabem manipular e não suportam ser manipulados. São profundamente sensíveis, generosos e possuem dons impressionantes que incluem um “hiperfoco” voltado para esses dons com os quais eles são capazes de por exemplo, salvar vidas ( vejam a série The Good Doctor no canal HBO), serem atletas de alta performance, cantores e artistas com habilidades e criatividade muito além do que seria “normal” para a idade e para um ser humano dito “comum”. Agora mesmo, no programa de talentos The Voice americano temos um cantor jovem Will Brenam que vem encantando os técnicos e o público pois além de uma voz e uma afinação e ritmo diferenciados ele sempre incrementa suas apresentações com um altíssimo grau de emoção e novas formas de dançar, de se expressar. Will recebeu o “diagnóstico” de “espectro autista” e com ele tem convivido com ajuda e empenho de sua mãe, a quem ele dedicou sua performance da música I will never give up de Jason Mraz e emocionou todos às lágrimas.

 Não é a toa que tantos filmes, séries de TV e vídeos circulem na internet tratando sobre como incluir os “diferentes” entre eles os chamados “autistas”.

O que fazer diante de uma realidade que está em franca transformação e reconfiguração já que seus atores, nós os seres humanos, estamos sendo reconfigurados, transformados?

Precisamos com urgência limpar nossos filtros, trocar nossas lentes, abrir nossas mentes e nossos corações. À seguir, teremos de permitir que MENTE e CORAÇÃO funcionem de acordo com a sua própria natureza que é ser UM ÚNICO SISTEMA COOPERATIVO. Assim, estaremos em condições de acessar nossa Essência, nosso EU SUPERIOR e através dele alcançar sabedoria para receber, acolher e aceitar com AMOR INCONDICIONAL nossas crianças com suas diferentes formas de ser e de se expressar! Se assim o fizermos estaremos nós aprendendo com elas, deixando velhas crenças, antigos padrões e hábitos obsoletos e insalubres e avançando na nossa espiral evolutiva!

Num próximo artigo falaremos sobre a questão das escolas e professores e das dificuldades enfrentadas no sentido de se relacionar e de lidar com essas crianças!!

Um abraço afetuoso desejando que a Luz se irradie e se propague mais e mais!!!

Ingrid