Quem são as Crianças Índigo e Cristal e porque estão sendo diagnosticadas como se tivessem disfunções e patologias?

Quanto mais o tempo passa, mais mensagens eu recebo de pais que receberam diagnósticos “questionáveis” e “precipitados” de seus filhos. Eles me pedem ajuda pois leram alguma coisa ou ouviram falar a respeito de crianças Índigo e Cristal e suspeitam que seus filhos possam ser essas crianças. Esses pais, ao confrontarem as características desses grupos evolutivos chamados de Índigos e Cristais com o que alguns médicos e terapeutas, já consultados, chamaram de sintomas disfuncionais e/ou patológicos, perceberam que algo não fazia sentido nesses diagnósticos. Frequentemente, me relatam que tais diagnósticos foram feitos em 15 ou 20 minutos de consulta e não fecham com o que observam no comportamento diário e regular de seus filhos.

Se você também se identifica com esse breve relato, saiba que tais diagnósticos equivocados tem se multiplicado já há alguns anos devido ao desconhecimento de grande parte dos profissionais de saúde e da área de educação, a respeito desses grupos evolutivos denominados Índigos e Cristais, entre outros grupos que já estão nascendo, aqui na Terra. Trata-se de um momento histórico de extrema importância e de rara beleza que precisa, urgentemente, ser encarado com seriedade e atenção ao invés de ser desprezado e ignorado como se fizesse parte apenas, do contexto e da imaginação de místicos e/ou religiosos.

Vivemos um período de transição do movimento evolutivo da espécie humana e do planeta Terra, marcado por inúmeras transformações perceptíveis tanto no esgotamento de um modelo econômico e de gestão dos recursos naturais quanto de um estilo de vida, haja visto o caos predominante em nossa sociedade humana, onde as polarizações extremas são perceptíveis nos diferentes tipos de guerras, guerrilhas e terrorismo instalados seja no ocidente ou no oriente. Esse período de transição é percebido também através das novas características do ser humano, refletidas em seu comportamento, cada vez mais surpreendente quanto nas frequências vibratórias da Terra e alterações no seu campo eletromagnético perceptíveis por exemplo nas drásticas transformações climáticas. Nesse contexto, temos constatado e observado a chegada de milhares de crianças muito diferentes com características físicas, psicológicas, sociais e espirituais. Realmente diferenciadas e até surpreendentes. São seres humanos com um DNA mais ativado e com talentos e dons incríveis que se manifestam desde sua presença no ventre materno. A geração Índigo e Cristal ou Geração “Y” e “Z” como gostam de dizer no mundo corporativo veio como parte do Plano Divino para a evolução de nosso planeta e da humanidade em sua passagem por ele. Pois como bem disse o genial e visionário Einstein “Deus não joga dados, existe um Plano”. Essas gerações que chegam em número massivo desde a década de setenta veio para provocar grandes e profundas transformações!

Os Índigos vieram primeiro para preparar o ambiente e ancorar vibrações mais sutis e romper alguns paradigmas, derrubar alguns muros e barreiras e por isso são chamados de “Rompedores de Sistemas”. Depois, começaram a chegar em maior número os Cristais com vibrações ainda mais sutis, mente quântica e capacidade de transformar e harmonizar pessoas e ambientes com sua simples presença e por isso são chamados de “Pacificadores”.
Os Índigos tem sofrido com insistentes diagnósticos de Déficit de Atenção e Hiperatividade patologias inventadas por um psiquiatra já falecido que antes de morrer deixou um artigo fazendo Mea Culpa e declarando que inventou tais diagnósticos a serviço de um laboratório para poderem ter demanda para o metilfenidato cujo nome comercial mais conhecido é Ritalina, sendo que logo depois surgiu o Concerta e depois outros nomes comerciais para a mesma substância da família das anfetaminas. Portanto, com efeitos colaterais fortíssimos, risco de morte súbita cujo risco aumenta muito nos mais jovens e crianças. Medicamento causador de alta dependência química e psicológica que abre caminho nas crianças e adolescentes para outras drogas. Tudo isso está dito e comprovado por estudos, pesquisas e pela observação de inúmeros estudiosos, pesquisadores e terapeutas tanto no Brasil como em diversos países da Europa e América do Norte. De qualquer modo os Índigos por trazerem alta energia e vibrações sutis, especialmente se eles forem do tipo Humanista, se mostrarão hiperativos já que sentem necessidade de fazer pontes entre as pessoas, conversar, se relacionar e ajudar a todos e podem então ser percebidos como seres que perturbam a “ordem” especialmente na escola e nos ambientes sociais. Além disso, os Índigos costumam não ter paciência com filas, com exigência de reprodução de comportamentos e padrões sem sentido (o que frequentemente ocorre nas escolas) e com atividades com as quais não se identificam ou amam fazer e por isso podem ser diagnosticados com o tal Déficit de Atenção. Uma maneira rápida e fácil de desfazer esse equívoco, é averiguar se a criança ou jovem consegue ficar mais de 15 minutos dedicado e concentrado quando está fazendo algo que ame fazer e com o que se identifica.

Os Cristais tem sofrido com diagnóstico equivocado ou apenas a sugestão de que a criança possa situar-se no chamado “espectro autista”. Isso basta para deixar os pais desolados e devastados pois existe uma visão já estabelecida de que ser autista é algo terrível, grave e motivo de marginalização e dor. Em nosso entendimento, e também segundo outros estudiosos do tema Novas Gerações Índigo e Cristal, as características dos seres de vibração Cristal podem ser facilmente confundidas e mal entendidas, somente por desconhecimento e precipitação em diagnosticar, por parte dos profissionais que os avaliam. Crianças Cristal podem demorar para começar a falar embora se comuniquem perfeitamente com seus pais e familiares através da mente e de uma linguagem intuitiva pois são altamente telepatas e vieram nos ensinar e ativar em nós adultos, a linguagem mais evoluída que é a telepatia ou comunicação através da mente. Tal característica pode ser confundida com a incapacidade para se comunicar e se relacionar socialmente dos chamados autistas. Outra característica dos seres Cristal é a capacidade natural para se comunicar e transitar em outras dimensões o que faz com que às vezes, fiquem absortos e “distantes” prestando atenção em algo de outra dimensão ou mesmo numa aparição de seres extra físicos que eles visualizam e com quem se comunicam. Muitas vezes, os Seres Cristal por trazerem em si alta energia de alta qualidade e sensibilidade fazem movimentos repetitivos para expressar suas vibrações de felicidade, alegria, satisfação ou insatisfação e até fazem movimentos inclusive giratórios para equilibrar ou reequilibrar e calibrar a própria energia o que também pode confundir médicos e terapeutas ou educadores.

Ingrid Cañete

Para maiores informações leia os livros Crianças Índigo, a evolução do ser humano; Crianças Cristal, a transformação do ser humano dessa autora.