MEU DIÁRIO / POESIAS

Dica de filme: The Bling Ring

O fenômeno BLING RING!!!

Merece ser reconhecido e precisa ser analisado a luz da consciência já que não é apenas uma realidade assustadora das elites americanas e hollywoodianas, NÃO! Esse filme escrito e dirigido por Sofia Coppola e baseado em fatos reais trata da doença social que acomete cada vez mais lares e famílias inclusive aqui, no Brasil. Pais que simplesmente não desenvolveram vínculo afetivo profundo e verdadeiro e que também nunca conheceram seus filhos de verdade, de repente, podem se “surpreender” (ou não!) quando a polícia bate na sua porta e revela que seu filho, um jovenzinho aparentemente tão inocente, uma criança ainda, cometeu diversos crimes em série.

O filme em questão, mostra o caso real de jovens de famílias abastadas em Hollywood, que liderados por uma jovem, entravam nas casas de artistas famosos, seus ídolos e simplesmente roubavam desde dinheiro até objetos pessoais, roupas e jóias. Porque?! Para que?!! Eis aí o tema que exige de nos todos um mergulho mais profundo se quisermos realmente entender. O que salta aos olhos no entanto é que aqueles jovens assim como os nossos jovens e seus comportamentos anti-sociais, violentos e de vandalismo, de desrespeito para com limites outrora sagrados é um reflexo absoluto do comportamento de seus pais e dos adultos em geral. O que vemos no filme são pais totalmente distantes de seus filhos. E não falo distantes fisicamente mas sim distantes emocional e afetivamente! Pais que falam sem nem olhar jamais nos olhos e na alma dos filhos, que assim dizem coisas da boca para fora e não observam o que seus filhos respondem nas entrelinhas. Pais que não se importam de verdade e não se abrem com os filhos e por isso também não estimulam seus filhos a se abrir! Pais que não fazem questão de entrar no quarto de seu filho, olhar, sentar, conversar e que passam batido em muitos sinais gritantes da solidão e do vazio em que suas crianças e jovens se encontram. São os mesmos pais que se iludem quanto a quem são seus filhos porque também estão iludidos sobre quem são eles próprios!! Esses mesmos pais, no filme surpresos com a revelação pública dos crimes dos filhos, se posicionam de forma inconsciente, inconsequente e criminosa defendendo os filhos da prisão e da justa consequência de seus atos. O que seria a oportunidade de pagar o que roubaram e de aprender algo sobre valores, limites e ética deixa de ser pois os pais e seus advogados livram a cara dos filhos. Na verdade, quem deveria ser penalizado, no caso do filme, são os pais já que crianças e jovens são reflexo de seus pais e do ambiente que os envolve. Lares e pais distantes, frios que não os amam, não os olham nem valorizam e não fornecem a eles referenciais sólidos e suficientes de condutas éticas e saudáveis para a convivência social e para a evolução como ser humano digno e integro, só pode resultar em desastre! E as consequências atingem a todos nós! Recomendo aos pais que assistam o filme Bling RING: gangues de Hollywood e que por favor exercitem-se nas reflexões e se olhem com muita coragem na frente do espelho da alma que é seu filho. Esteja disposto a examinar a fundo as raízes de tanta distância afetiva, de tanto descaso com seu filho. Pois de nada adianta ensinar apenas boas maneiras e etiqueta social, botar dinheiro, carro, roupas de grife, na mão de seus filhos sem ter se dedicado cuidadosamente, desde que ele era bebe, a de fato dar amor, atenção, ouvir de verdade, entender seu filho e estar presente em todos os momentos para dizer os sins e os nãos, para estudar junto, para falar das suas ansiedades e duvidas, medos, para chorar se preciso for, junto com seu filho. Não vai adiantar NADA dar bens materiais e formar o TER se vocês pais não forem capazes de dar o bom exemplo todos os dias e mostrar que na vida temos liberdade mas que nossa liberdade termina exatamente onde começa a liberdade do outro e que temos, muitas responsabilidades que são a justa consequência do uso de nossa liberdade!

Parece impossível e improvável mas encontramos um número imenso e crescente de pais que não desenvolveram vínculo afetivo forte e profundo com seus filhos e que quando um terapeuta ou alguém próximo tenta lhe mostrar que é urgente e essencial que saia do mundo da ilusão e “caia na real”. Se quisermos mudar a situação de caos e de selvageria que domina a nossa sociedade precisamos levantar o véu da impunidade e temos que começar por nós e em nossa família!

Ingrid Cañete
Janeiro 2014